Acesse seu produto

 
 
 
     
 
Site do Cliente
Usuário
Senha
  Esqueci minha senha
  Informações de acesso
IOB Educação
Clique aqui e confira nossos treinamentos.

Atualize-se e capacite-se com os melhores profissionais das áreas contábil e financeira, tributária fiscal, trabalhista e jurídica.

Soluções Fiscais

Conheça as Soluções Fiscais da IOB Folhamatic, uma linha de produtos e serviços que garante conformidade e segurança no SPED.


Clique aqui e confira!
 
Líder em softwares de gestão de tesouraria para médias e grandes empresas.

Clique aqui e conheça!

 
ICMS/IPI E OUTROS Voltar
   
Envie essa notícia para um amigo.
 
ICMS/MS - Inclusão do valor do pedágio na base de cálculo do imposto na prestação de serviço de transporte

Publicado em 19/08/2010 11:50

Há polêmica sobre a inclusão do pedágio, pago às concessionárias pela utilização das estradas, na base de cálculo do ICMS referente ao serviço de transporte.

 

De modo geral, a base de cálculo do ICMS, nas prestações de serviços de transporte interestadual ou intermunicipal, é o preço do serviço praticado, e nas prestações sem preço determinado, é o valor corrente do serviço no local da prestação.

 

Integram a base de cálculo do ICMS todas as importâncias recebidas ou debitadas ao tomador do serviço, tais como juros, seguro, desconto concedido sob condição e preço de serviço de coleta e entrega de carga.

 

De conformidade com o art. 2º da Lei Federal nº 10.209/2001, o valor do vale-pedágio não integra o valor do frete, não sendo considerado receita operacional ou rendimento tributável, nem constitui base de incidência de contribuições sociais ou previdenciárias.

 

Consoante os §§ 1º e 2º do art. 1º da lei federal mencionada, o pagamento de pedágio, por veículo de carga, é de responsabilidade do embarcador, considerando-se embarcador o proprietário originário da carga, contratante do serviço de transporte rodoviário de carga. O art. 3º da mesma lei dispõe que o embarcador antecipará o vale-pedágio obrigatório ao transportador, independentemente do valor do frete.

 

O pedágio é pago pelo próprio caminhoneiro e cobrado como despesa acessória do embarcador. No vale-pedágio o custo passa ao embarcador, que antecipa o valor e, portanto, não é custo do caminhoneiro.

 

Somente se poderá falar em inclusão do pedágio na base de cálculo do ICMS incidente sobre o serviço de transporte se o embarcador não adiantar o valepedágio e, em substituição a ele, pagar o valor do pedágio em moeda nacional. Não fosse bastante a inclusão do valor na base de cálculo, visto terem agido contra a legislação, sujeitam-se todos os envolvidos às penalidades cabíveis pelo descumprimento das normas legais.

 

Por esse motivo, entendemos que o vale-pedágio, não sendo componente tarifário do frete, não faz parte da base de cálculo do ICMS. Mas, se for incluído no conhecimento de transporte como despesa acessória debitada ao tomador

do serviço, sobre ele deve também incidir o ICMS.

 

(Lei Complementar nº 116/2003, item 22.01 da lista de serviços, Lei nº 10.209/2001, art. 1º, §§ 1º e 2º, e art. 2º, e Lei nº 9.203/1998, art. 15, II - RICMS-MS/1998)

Fonte: Editorial IOB

   
 
 
  Voltar     Veja mais notícias
 
Cartilhas IOB

* Cartilha eSocial

* Cartilha do empreendedor

 
Redes Sociais
 
Agende uma visita
Quer receber uma visita comercial para conhecer nossos produtos e serviços?
 
ISSQN      
Legislação Municipal é com a IOB.
 
Newsletter
Receba diariamente em seu e-mail as notícias mais relevantes do meio regulatório.
         
 
 
Copyright 2014 IOB. Todos os direitos reservados