Newsletter
Este é um e-mail automático, por favor, não responda. Para críticas ou sugestões, clique aqui.
Edição nº 5113 de 23.03.2021
  Envie sua colaboração  Indique a um amigo
 
 
 
 
Transexuais poderão optar por cumprir pena em presídio feminino ou masculino

Ministro do STF se baseou em documentos do governo federal elaborados por meio de interlocução com associações representativas de grupos LGBTI.  O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que presas transexuais e travestis com identidade de gênero feminino possam optar por cumprir penas em estabelecimento prisional feminino ou masculino. Nesse último caso, elas devem ser mantidas em área reservada, como garantia de segurança. Barroso ajustou os termos de medida cautelar deferida em junho de 2019, na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 527. Na cautelar deferida anteriormente, o ministro havia determinado que presas transexuais femininas fossem transferidas para presídios femininos. Quanto às presas travestis, ele registrou, à época, que a falta de informações, naquele momento, não permitia definir com segurança, à luz da Constituição Federal, qual seria o tratamento adequado a ser conferido ao grupo. Notável evolução Ao ajustar os termos de sua decisão, o ministro registrou que dois documentos juntados posteriormente aos autos pelo governo federal acrescentam importantes informações à instrução do processo e sinalizam uma “notável evolução” do entendimento do Poder Executivo quanto ao tratamento a ser conferido a transexuais e travestis identificados com o gênero feminino no âmbito do sistema carcerário. São eles o relatório LGBT nas prisões do Brasil: diagnóstico dos procedimentos institucionais e experiências de encarceramento, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MDH), e a Nota Técnica 7/2020, do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). O relatório apresenta uma ampla pesquisa de campo com a população LGBT encarcerada e chega à conclusão de que a decisão mais adequada do ponto de vista da dignidade de tais grupos, extremamente vulneráveis e estigmatizados, não implicaria apenas olhar para questões de identidade de gênero, tais como direito ao nome, à alteração de registro e ao uso de banheiro, mas também para as relações de afeto e múltiplas estratégias de sobrevivência que eles desenvolvem na prisão. Nesse sentido, aponta que o ideal é que a transferência ocorra mediante consulta individual da travesti ou da pessoa trans. Na mesma linha, a nota técnica também defende que a transferência seja feita após a manifestação de vontade da pessoa presa. Ambos os documentos defendem que a detenção em estabelecimento prisional masculino deve ocorrer em ala especial, que assegure a integridade do indivíduo. Diálogo institucional Segundo Barroso, essa evolução de tratamento dado à matéria no âmbito do Poder Executivo decorre do diálogo institucional ensejado pela judicialização da matéria, que permitiu uma “saudável interlocução” com associações representativas de interesses desses grupos vulneráveis, o Executivo e o Judiciário. Ele acrescentou não haver “dúvida” de que a solução sinalizada por ambos os documentos se harmoniza com o quadro normativo internacional e nacional de proteção das pessoas LGBTI, no sentido de ser dever dos Estados zelar pela não discriminação em razão da identidade de gênero e orientação sexual, bem como de adotar todas as providências necessárias para assegurar a integridade física e psíquica desses grupos quando encarcerados. No Brasil, disse ele, o direito das transexuais femininas e travestis ao cumprimento de pena em condições compatíveis com a sua identidade de gênero decorre, em especial, dos princípios constitucionais do direito à dignidade humana, à autonomia, à liberdade, à igualdade, à saúde, e da vedação à tortura e ao tratamento degradante e desumano. Decorre também da jurisprudência consolidada no STF no sentido de reconhecer o direito desses grupos a viver de acordo com a sua identidade de gênero e a obter tratamento social compatível com ela. O ministro ressaltou ainda que, dentre os Princípios de Yogyakarta, documento aprovado em 2007 pela comunidade internacional com o objetivo de produzir standards específicos para o tratamento da população LGBTI, o de número 9 recomenda que, caso encarceradas, essas pessoas possam participar das decisões relacionadas ao local de detenção adequado à sua orientação sexual e identidade de gênero. Preceitos fundamentais A ADPF 527 foi ajuizada pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT) e questiona decisões judiciais contraditórias na aplicação da Resolução Conjunta da Presidência da República e do Conselho de Combate à Discriminação 1/2014, que estabeleceu parâmetros de acolhimento do público LGBT submetido à privação de liberdade nos estabelecimentos prisionais brasileiros. A entidade argumenta que alguns juízos de execução penal estariam interpretando a norma de forma a frustrar a efetivação dos direitos desses grupos a tratamento adequado no âmbito do sistema carcerário, resultando em violação aos preceitos fundamentais da dignidade humana, da proibição de tratamento degradante ou desumano e do direito à saúde. Processo relacionado: ADPF 527

 
Penal
 
Violência doméstica e familiar contra a mulher

A Lei Maria da Penha cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Violência contra a Mulher, da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher e de outros tratados internacionais ratificados pela República Federativa do Brasil; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; e estabelece medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar. Nesse sentido, é importante mencionar que o princípio da dignidade da pessoa humana constitui um dos fundamentos do Estado Democrático de Direito, com fulcro no art. 1º, inciso III, da Constituição Federal. Este tem como finalidade, na qualidade de princípio fundamental, assegurar ao indivíduo direitos que devem ser respeitados pela sociedade e pelo Poder Público, com o intuito de preservar a valorização do ser humano. Assunto como esse, caro leitor, você poderá encontrar na Revista SÍNTESE Direito Penal e Processual Penal.

 

 
 
Penal
TJDF - Candidato que responde a inquérito ou ação penal não pode ser excluído de concurso
TRF1 - Confirmada a condenação de réu por uso de documento falso e de falsa identidade
TRF4 - Tribunal mantém bloqueio de mais de R$ 260 mil de transportadora investigada na Operação Planum
STJ - Majorante sobressalente pode entrar na primeira ou segunda fase da dosimetria
STJ - Beneficiário de HC coletivo que não integrou o processo não pode ajuizar reclamação por descumprimento
STF - A pedido da PGR, ministro arquiva investigação contra Aécio Neves no caso Furnas
STF - Fachin solicita informações antes de decidir pedido de Lula contra bloqueio de bens
 
Trabalhista / Previdenciário
TRF4 - Justiça garante aposentadoria por invalidez a pedreiro com problemas cardíacos
TRT3 - Multada loja de departamentos que descumpriu horário de trabalho natalino de empregados
TRT4 - Empregada despedida por ficar sete anos em benefício previdenciário obtém direito à reintegração
TRT2 - Filha menor é considerada única legitimada para receber créditos trabalhistas de falecido
TRT6 - Agravo de petição que não ataca decisão agravada fere princípio da dialeticidade
- TRT11- Condenada empresa a indenizar empregado que ficou sem salário após adoecer de covid-19
TRT7 - Disponibilizado formulário on-line para ingresso de ação trabalhista sem advogado
TRT12 - Empresa não terá de indenizar empregado que colidiu moto com cachorro a caminho do trabalho
TRT12 - Cumprir normas legais não isenta empresa de indenizar trabalhador acometido por doença ocupacional
TRT18 - Imóvel que serve de residência da unidade familiar é impenhorável
TRT18 - Revertida dispensa por justa causa de barman acusado de ter servido vodka a colega de trabalho
TRT18 - Reconhecido direito à reparação por danos materiais a cabo eleitoral que perdeu um olho ao acender foguete
TRT18 - Pleno defere reserva de crédito em execução trabalhista com saldo remanescente
TRT18 - 1ª Turma nega bloqueio de cartões de crédito de devedor trabalhista
TST - Administradora consegue anular advertência por remarcar férias sem falar com chefia
TST - Técnico em comunicação social dos Correios obtém direito a jornada especial de jornalista
TST - Bancária tem direito a benefícios do PDV implantado no curso do aviso prévio indenizado
 
Civil / Família / Imobiliário
TJSC - Surpreendido com bloqueio de linha telefônica, advogado será indenizado em R$ 20 mil
TJSC - Empresa indenizará fotógrafa por usar, sem pedir, foto de sua autoria em rede social
TJSP - Paciente que tentou coagir e expôs médico em rede social deverá indenizá-lo
 
Administrativo / Ambiental
TJDF - Justiça nega liminar contra decisão que manteve funcionamento do Zoológico
TJDF - Juiz nega pedido para suspensão de aulas presenciais na rede de ensino privada
TJDF - DF é condenado por erro em convocação de candidata para processo seletivo
STJ - Ministro suspende processos que discutem saques indevidos e outras falhas em contas do Pasep
STF - Supremo referenda decisão que obriga governo federal a fornecer oxigênio e insumos à Manaus
STF - Ação do PDT pretende que governo garanta abastecimento de insumos e remédios para intubação
STF - Redução no valor do auxílio emergencial é contestada pelo PCdoB
STF - OAB quer que Executivo federal garanta vacinação em massa da população
STF - Supremo julga constitucional MP que instituiu Programa de Parcerias de Investimento
STF - Ministra pede informação à Câmara e ao Senado sobre alteração no trâmite de MPs durante a pandemia
 
Diversos
C.FED - Presidente sanciona lei que abre espaço em regras orçamentárias para quitar despesas urgentes
C.FED - Câmara pode votar projeto que amplia número de doenças rastreadas pelo teste do pezinho
C.FED - Projeto exige que redes sociais identifiquem notícias falsas em parceria com verificadores de fatos
S.FED - Menores cujos pais morreram de covid-19 poderão ter direito a pensão
 
 
 
Leis
Lei nº 14.126, de 22.03.2021 - DOU de 23.03.2021
Classifica a visão monocular como deficiência sensorial, do tipo visual.

Decretos
Decreto nº 10.654, de 22.03.2021 - DOU de 23.03.2021
Dispõe sobre a avaliação biopsicossocial da visão monocular para fins de reconhecimento da condição de pessoa com deficiência.


Expediente

Diretor: Elton José Donato
Gerente Editorial e de Consultoria: Milena Sanches Tayano dos Santos
Coordenador Editorial: Cristiano Basaglia
Diagramação e Produção: SÍNTESE
Tiragem: 80.000 disparos/dia

Fale com o editor: newsletter_juridica@iob.com.br        www.sintese.com
Atendimento ao cliente:

(11) 2188 7900 (São Paulo e Grande São Paulo) - 0800 724 7900 (demais localidades) ou
pelo endereço eletrônico netiob@sage.com.br
Copyright 2014 SAGE. Todos os direitos reservados

Caso não queira mais receber esta newsletter clique