Newsletter Jurídica SÍNTESE nº 5120Newsletter
Este é um e-mail automático, por favor, não responda. Para críticas ou sugestões, clique aqui.
Edição nº 5120 de 01.04.2021
  Envie sua colaboração  Indique a um amigo
 
 
 
 
Citação em ação reivindicatória interrompe prazo para reconhecimento da usucapião

Se a ação proposta pelo proprietário visa, de algum modo, a defesa do direito material, a citação dos réus interrompe o prazo para a aquisição do imóvel por usucapião. Com esse entendimento, já consolidado na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a Quarta Turma não admitiu o recurso especial de um casal que tentava afastar a interrupção do prazo no âmbito da discussão sobre a usucapião de terreno no município de Imbé (RS), ocupado desde 1984. O relator do caso, ministro Luis Felipe Salomão, afirmou que o acórdão recorrido aplicou a jurisprudência firmada pela Segunda Seção, pois o proprietário ajuizou uma ação reivindicatória, "o que demonstra claramente sua intenção de retomar o bem". De acordo com o magistrado, também é pacífico na Segunda Seção o entendimento de que a interrupção do prazo ocorre independentemente de a ação reivindicatória ser declarada ou não procedente, bastando que se evidencie o inequívoco exercício do direito e a boa-fé do autor. A disputa surgiu porque o casal de possuidores do imóvel teria negociado a compra apenas com a esposa do proprietário, que era analfabeta. Alegando que o valor foi pago integralmente, mas que a escritura definitiva não foi outorgada, os possuidores ingressaram com ação de adjudicação compulsória e, depois, com ação de usucapião ordinária – ambas julgadas improcedentes em primeira e segunda instâncias. Posteriormente, no ano 2000, o espólio dos proprietários ajuizou ação reivindicatória, na qual os possuidores foram citados, mas o processo foi extinto em primeiro grau, sem julgamento de mérito. Os herdeiros protocolaram outra ação e conseguiram sentença favorável para a imissão na posse, mas com a determinação de indenizar as benfeitorias feitas até 1996 – data em que o espólio contestou a ação de adjudicação compulsória. Para o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), além de a usucapião ordinária ter sido afastada em decisão já transitada em julgado, tampouco havia direito dos possuidores à usucapião extraordinária, pois a citação na ação reivindicatória de 2000 interrompeu o prazo de 20 anos de posse mansa e pacífica exigido pelo Código Civil de 1916. Diante da decisão do TJRS sobre o marco interruptivo do prazo da usucapião, foram opostos embargos de declaração requerendo a alteração da data instituída para aferir a boa-fé das benfeitorias indenizáveis. Rejeitado o pedido, os possuidores interpuseram recurso no STJ, o qual foi provido para determinar à corte de origem que resolvesse a apontada contradição. Ao analisar a matéria, o TJRS afirmou que a fixação do marco interruptivo da usucapião em 2000 não interfere no período indicado na sentença para a indenização das benfeitorias, uma vez que a boa-fé dos possuidores desapareceu a partir da contestação do espólio na ação de adjudicação compulsória, em 1996 – "ainda que tal contestação não tivesse o condão de interromper o prazo para usucapião". Inconformado, o casal apresentou novo recurso especial, inadmitido na origem. O juízo negativo quanto à admissibilidade foi mantido pelo ministro Luis Felipe Salomão. Segundo ele, além de o acórdão do TJRS estar em conformidade com a jurisprudência do STJ, as conclusões da corte estadual sobre a não caracterização da usucapião não podem ser revistas em recurso especial, pois isso exigiria o reexame de provas – o que é vedado pela Súmula 7. O relator observou ainda que a jurisprudência considera que a perda da condição de boa-fé, para fins de cálculo da indenização por benfeitorias, depende de que as circunstâncias façam presumir que o possuidor não ignora que possui indevidamente, como previsto no Código Civil. No entanto, para o ministro, apreciar essas circunstâncias também exigiria novo exame das provas do processo. AREsp 1542609

 
Civil / Família / Imobiliário
 
Fato gerador do ITBI

 

A impossibilidade jurídica de restituição do ITBI (Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis), nas hipóteses em que, não obstante realizada a transação imobiliária e efetuado o consequente recolhimento do gravame aos cofres municipais, for anulado, em virtude de ulterior decisão judicial, o respectivo negócio jurídico translativo da propriedade. A íntegra de comentários como este e muitos outros abordando diversos temas, além de doutrinas, ementário criteriosamente selecionado, acórdãos na íntegra e muito mais, você, leitor, poderá conferir na Revista SÍNTESE Direito Civil e Processual Civil.

 

 
 
Civil / Família / Imobiliário
TJRJ - Sócio de quiosque em Copacabana é condenado a quitar dívida
TJSC - Justiça vê risco de censura prévia em liminar para retirar comentário de rede social
TJSC - Cafeteria pode flexibilizar atendimento em aeroporto durante pandemia
TJSC - Cliente será indenizado por cobrança em conta salário sem movimentação após 6 meses
TJSP - Extinto pedido de comunicação em processo de reorganização do grupo Latam nos Estados Unidos
TJAC - Justiça mantém sentença que obriga concessionária a fazer reparos em veículo
 
Administrativo / Ambiental
TRF4 - Tribunal condena mineradora a ressarcir União por extração irregular
TJRJ - Órgão Especial declara inconstitucional emenda que altera Lei Orgânica do Município de Teresópolis
TJSC - Ex-prefeito é condenado por irregularidades na contratação de servidores temporários
TJSC - Kartódromo de BC é multado e interditado por desrespeitar regras de combate à Covid-19
TJSC - Pequenos municípios do Oeste recebem verbas das penas pecuniárias para combater Covid
TJSC - Ex-prefeito é condenado por fraudar concurso público para prejudicar desafeta política
C.FED - Comissão aprova a obrigatoriedade de audiolivro em biblioteca pública
C.FED - Comissão aprova cores de bengala de acordo com o tipo de deficiência
C.FED - Meio Ambiente rejeita delegação de licença de pesca para estados
C.FED - Comissão mantém autorização ambiental para coleta de material biológico
STF - Abrapp aciona STF contra fiscalização do TCU sobre entidades fechadas de previdência complementar
C.FED - Câmara aprova projeto que permite uso de repasses de anos anteriores em serviços de saúde
C.FED - Proposta destina prêmio de loteria não resgatado para a saúde pública
S.FED - Projeto inclui financiamento de cursos profissionais e tecnológicos no Fies
STF - Analisado decreto presidencial que estipula dois órgãos gestores para a previdência dos servidores públicos federais
 
Tributário / Aduaneiro
C.FED - Câmara aprova projeto que amplia prazo para entrega do imposto de renda neste ano
S.FED - Senadores defendem mudanças na tabela do Imposto de Renda
STF - Supremo fixa tese sobre necessidade de lei para antecipação do pagamento do ICMS
 
Penal
TJRJ - Justiça nega pedido de livramento para mulher do traficante Nem da Rocinha
TJRJ - Justiça do Rio mantém prisão de síndica investigada por morte de empresário
TJSC - Covid não liberta ex-prefeito que aguarda júri acusado de planejar morte de advogado
C.FED - Segurança aprova verba de loterias para o reforço de fundo antidrogas
 
Trabalhista / Previdenciário
C.FED - Entra em vigor lei que amplia margem do consignado até o final do ano
TRT2 - Prazos processuais voltam a correr a partir do dia 6 de abril
TRT23 - Tribunal mantém contagem de prazos processuais durante quarentena obrigatória
S.FED - Nova lei amplia limite de consignado para aposentados durante pandemia
 
Diversos
C.FED - Comissão exige repasse de loterias no estímulo ao esporte feminino
C.FED - Câmara aprova doação de crédito de energia para atividades essenciais
 
 
 
Leis
Lei nº 14.132, de 31.03.2021 - DOU - Edição Extra de 01.04.2021
Acrescenta o art. 147-A ao Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), para prever o crime de perseguição; e revoga o art. 65 do Decreto-Lei nº 3.688, de 3 de outubro de 1941 (Lei das Contravenções Penais).

Decretos
Decreto nº 10.664, de 31.03.2021 - DOU - Edição Extra de 01.04.2021
Altera o Decreto nº 8.139, de 7 de novembro de 2013, que dispõe sobre as condições para extinção do serviço de radiodifusão sonora em ondas médias de caráter local, sobre a adaptação das outorgas vigentes para execução deste serviço, e o Decreto nº 10.312, de 4 de abril de 2020, que amplia, temporariamente, o escopo de multiprogramação com conteúdo específico destinado às atividades de educação, ciência, tecnologia, inovações, cidadania e saúde de entidades executoras de serviço de radiodifusão de sons e imagens em tecnologia digital, com fins exclusivamente educacionais ou de exploração comercial, em razão da pandemia da covid-19.

Decreto nº 10.665, de 31.03.2021 - DOU - Edição Extra de 01.04.2021
Altera o Decreto nº 4.550, de 27 de dezembro de 2002, que regulamenta a comercialização de energia elétrica gerada pela Eletrobrás Termonuclear S/A - ELETRONUCLEAR, por ITAIPU Binacional, e dá outras providências.


Expediente

Diretor: Elton José Donato
Gerente Editorial e de Consultoria: Milena Sanches Tayano dos Santos
Coordenador Editorial: Cristiano Basaglia
Diagramação e Produção: SÍNTESE
Tiragem: 80.000 disparos/dia

Fale com o editor: newsletter_juridica@iob.com.br        www.sintese.com
Atendimento ao cliente:

(11) 2188 7900 (São Paulo e Grande São Paulo) - 0800 724 7900 (demais localidades) ou
pelo endereço eletrônico netiob@sage.com.br
Copyright 2014 SAGE. Todos os direitos reservados

Caso não queira mais receber esta newsletter clique